Duchamp talvez tenha vindo aqui.

(imagem acima gentilmente cedida por um colega de mestrado – não para este fim mas whatever…)

Uma coisa que muito me impressiona, é a atração que a escatologia exerce entre as pessoas. Freud constatou entre as fases do desenvolvimento infantil a fase anal, onde a excreções e fezes atraem a atenção das crianças mas isto se dá entre o primeiro e terceiro ano de vida. Uma pessoa que não passa bem por esta fase, tem duas opções: torna-se um maníaco obsessivo ou um fascinado por escatologia.

Eu não entendo. Devo ter brincado muito de massinha e saciado toda a minha curiosidade. Não entendo quando o humor americano sempre descambra para piadas de mau gosto envolvendo escatologia e por que eles acham que é tão engraçado. Um dia, tirei foto de uma plaquinha no banheiro da casa em que faço terapia. Da plaquinha feminina (havia a masculina). Tirei a foto com um propósito, daí, nasceu o post Repositório. 

O que acontece, é que este é o post mais acessado do meu blog. Não é estimativa. É fato. E todos os dias, pelo menos duas pessoas procuram nos sites de busca as palavras “favor não jogar papel no vaso”, “descarga após usar o vaso sanitário”, “papel higiênico no cesto” e similares.  Sei que estas pessoas não estão procurando meu post mas, também não sei qual o propósito delas. Aprender a advertir as pessoas, fazer com que tenham modos no toalhete? Aprender o que se faz no banheiro? O que? Não consigo mesmo imaginar.

Nas vanguardas européias, houve a figura de Duchamp, o precursor do ready made, que consiste no fato de transportar um elemento da vida comum, mais banal e transportá-lo para o campo artístico. Tal elemento, a priori, não é considerado arte por não ter o caráter de laboração artística e, por isto, grande parte dos críticos não aceitou e nem viu com bons olhos quando Duchamp levou aos museus um urinol cujo título de obra era: A fonte.

Há quem visse na arte de Marcel Duchamp um caráter iconoclasta aproximando o formato deste urinol em particular com as formas femininas. E esta interpretação abre margem para outra, de caráter psicanalítico onde se tem em mente o membro masculino jorrando urina nas formas femininas (olha aí, de novo) – fetiche de muitos, diga-se.

Obviamente que essa iconoclastia nos dias de hoje atingiu níveis como este:

Voltando ao meu post, meu intuito, como acho que deixei bem claro foi a aproximação que nós temos com esses dejetos, estas coisas ora indesejadas ora supervalorizadas através de um fetiche (considerado esquisito) mas todos nós somos em maior ou menor grau, dependendo de vários fatores, dejetos, todos somos diariamente indesejados, descartados, considerados sujos e temos sujeira e temos detritos tacados em nós. Dói porque, na maioria das vezes, temos que assistir a este movimento de maneira passiva. Ironico foi o comentário que diz: “nem todo mundo é assim.
nem todo mundo…” quando isso só confirmou meu pensamento. Todo mundo é assim, todo mundo puxa a descarga.  Me coloquei como sanitário, que sou e que fui, assim como você, assim como aqueles que procuram aqueles termos. Na verdade, eu queria descobrir o duradouro em mim, o atrativo e aquilo é o que sei, a constatação do efêmero.

Advertisements

About M.

Moira A fatalidade cega. Em grego arcaico, a parte ou quinhão. Em Homero, a parte da vida decretada a cada indivíduo. O destino traçado do qual não se pode fugir e a pré – disposição à tragédia como condição inegável do ser humano. Lei suprema da vida cósmica à qual todos, humanos e Deuses estão sujeitos. Mayra Lopes Intimamente ligada a conceitos. Hardly one. Filosofia e literatura, eros e pathos, hybris e moira. Um conglomerado de hormônios e sensações. Acima de tudo, sensações. Dores e ansiedades. Mais uma fragmentação pós – moderna, com uma diferença: procuro saber de mim. Quero que o mundo se exploda. Eu só ligo para mim e para os meus. Para a arte, o pensamento e as sensações.Felicidade como estado efêmero versus desespero. Suicídio versus a vontade da dor de aprender, a procura. Descendente de espanhóis e poloneses, mantengo uma estima profunda por la lengua que me dice y por la guitarra catalán. Costumo falar de Cortázar e de literatura alemã. Tenho Goethe tatuado nas costas, sobre aquele olhar. Qual? O de todos. Devaneio, entre Miller, Pessoa e nuvens. As vezes também em algodão – doce.A minha escrita, chuva oblíqua. Passo as horas, entre PJ Harvey e um quarto cheio de história. Cheio de mim mas tão cheio de outros, que as vezes, não reconheço. Virgínia Woolf sem a escrita, depressiva. Sei quase tudo sobre os dark places e as pílulas, todas, conheço-as quase todas. Nenhuma nunca me trouxe felicidade, só torpor. Brinquei de Susanna Kaysen por três dias, me internei, me dei alta; no meio tempo, me chamaram pra fugir. Gosto de dar flores de presente mas ganhei poucas. As minhas preferidas são margaridas. É, simples assim. Detesto pleasure delayers. Não vejo sentido. Se tiver que ser algo melhor, vai ser, durante dias, meses, anos. Não há necessidade de adiar nada por causa disso. Eu sei o que eu quero, detesto jogo ( mas sei jogar como ninguém). Meus exs/minhas exs não realmente saem da minha vida. Estão todos por aqui, orbitando. Falo da maioria com carinho de como se as coisas estivessem acontecido ontem. Costumo ser amigas deles e delas. Tenho uma tendência a lembrar primordialmente das coisas boas. Na tela, de preferência a Europa e seus idiomas entre os filmes.Os finais da Lola e os meus possíveis finais. Entrei para Letras, achando que letras é alguma coisa da qual se vive, para descobrir que, apesar de uns e outros, eu não vivo, respiro. Aqui, onde a menina cresce e a mulher se esconde. Isto ainda não sou eu. “I open once and you call me Devil`s gateway”. Prazer, M. View all posts by M.

2 responses to “Duchamp talvez tenha vindo aqui.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: