Tag Archives: amor

La pareja

tu-y-yo

Já se sabe. Nenhum relacionamento salva ninguém. Ano passado, eu prometi a mim que seria meu ano. Não foi. Se tem um ano que não foi o meu. E como não foi meu ano, acho que talvez eu tenha roubado para mim o pedaço de um ano de alguém que estava tendo o seu: tu. E cada dia, aprendo um pouco mais do que se faz um ano, ou um dia, ou mesmo uma hora. É o nosso riso. São suas poucas palavras. Nossas boludeces. Me deu e me dá todos os dias, um motivo para sorrir, um calor no peito e o mais importante: amor. Além de inspiração, coragem e esperança em um futuro que vai ser sempre incerto, mas sempre nosso.

Advertisements

In love with those lyrics

thiago-pethit--594x329

“You told me “You are great,
why can’t you be just mine?”
Baby…

You can break my heart in one or two
or more than a thousand pieces
You can bring me down
You can take me high and fly and fly
Oh boy, we still have
One last dance to dance
Let’s take it as a bet
Let’s give us one last chance

Cause you and I
We are meant to be
Whatever the future might
Choose for us to see
Again…” [ Sweet funny melody]

Thiago Pethit


Do que eu não entendia

Imagem

Uma vez uma mulher a quem magoei me disse que, muito polidamente, que embora parecesse que eu me preocupasse muito com ela e, apesar de eu tentar manter contato com ela de uma forma leve, displicente até (o que na minha cabeça aliviaria tanto o golpe que eu dei, quanto a culpa que eu sentia por tê-lo dado), eu nunca havia realmente me preocupado com o que ela queria. Acho que posso estender isso a: talvez, no meu intenso egocentrismo, eu nunca tenha entendido o que ela precisava.

Ela não precisava de palavra minha alguma, de nenhuma displicência ou leveza de minha parte, nenhuma palavra. Na verdade, ela apenas precisava da minha ausência total. Não que ela pudesse ou quisesse (bem, talvez quisesse) apagar a minha lembrança. Mas ela não precisava da constante lembrança da rejeição que eu representava.

Hoje em dia, eu entendo que, tudo o que um coração que foi diminuído de tamanho não necessita, é de uma preocupação que não se apresenta como verdadeira, que mascara uma culpa, que alimenta algo que nunca deve ser alimentado e mantém o magoado sempre escravo, pendurado na forca pelo desejo, pela necessidade, pelo amor.


Tantas vezes

Imagem

Uma ciranda de mãos e palavras que lentamente, devagar, devagar, foram se soltando, dedo a dedo, do falar normalmente, abaixando, abaixando o tom de voz, chega-se no sussurro no ouvido, no escuro, de madrugada, na cama. Eu te amo, não me deixa, não machuca, não quero dividir com nada, a metade de você, outra metade, tomada de loucura, que é minha também. chega disso, muda, não é pra crescer por mim, é comigo, dentro de mim. Não é para eu ser tudo, é ser uma parte do todo.

Por favor, não perca o todo. Tantas vezes perdermos a vida. 


Você

Imagem

 

Qualquer pessoa racional sabe que precisa de uns dias para voltar à realidade, que não se pode sair, achando que não se entrou, querendo retomar o que nem começou.

O problema foi que eu nunca antes soube o que era a realidade. Eu ando pelas ruas, vejo as coisas, olho as pessoas, os vendedores, os produtos, tudo a minha volta. Não sei o que significa, para que servem, porque vivem, ou comem, respiram ou riem.

Vejo lugares lindos e consigo ter alguma ideia do por que foram construídos mas vivem depredados, em obras, em lixos.

Uma vez eu li em um livro que, não era “sem mais nem menos” mas, gradualmente, a depressão, é um dia ter medo de acordar, não querer mais. Eu choro.

E, se o resto da minha vida for feito de sensações indescritíveis com você, em você, para você e para mim, que colore o dia, fecha o sol quando ele incomoda e abraça, então só posso entender isso, como sentir, como realidade.


” I could risk …

” I could risk no sort of answer by this time: my heart was still.
´Because´, he said, ´I sometimes have a queer feeling with regard to you – especially when you are near me, as now: it is as if I had a string somewhere under my left ribs, tightly and inextricably knotted to a similar string situated in the corresponding quarter of you little frame.”

BRONTË, Charlotte. Jane Eyre


Do you believe in miracles?

Do you believe in miracles?

Not today.


%d bloggers like this: